Há 36 anos atrás, em 29 de janeiro de 1982 nascia em Indianápolis Adam Mitchel Lambert…Provavelmente todos que estão lendo isso já leu esta frase em algum lugar. Todos sabem que Adam nasceu em Indianápolis e pouco tempo depois mudou-se para San Diego com a família. É provável que muitos também saibam que ele foi o vice campeão do American Idol anos mais tarde, na oitava edição exibida em 2009. Mais do que isso, todos acompanharam e ainda acompanham sua trajetória. Muito bem sucedida por sinal, sendo o novo vocalista para o Queen, arrastando por todo mundo uma multidão de pessoas partilhando o palco com dois de seus maiores ídolos de todos os tempos, Brian May e Roger Taylor. Grande parte também se recorda de seu smash hit “Whataya Want From Me”  lançado em 2009, e também seu mais recente sucesso “Ghost Town” lançado em 2015.

   É evidente que grande parte das pessoas, até mesmo as que não conhecem-o muito bem, sabem de tudo citado acima.

   Mas nem todos sabem que desde muito cedo Adam se mantivera envolvido com sua maior paixão, a arte. Ainda quando criança gostava de participar de peças de teatro e cantar em eventos judaicos, sua religião. Anos mais tarde, enquanto crescia, Lambert começou a sentir suas “diferenças” gritando por atenção. Descobriu-se diferente de seus colegas de escola, sabia que não estava seguindo na mesma direção dos meninos de sua idade, e isso de certa forma fazia-o se sentir solitário. Sua única reação foi esconder-se de si mesmo, pois temia ser alvo, caso as pessoas descobrissem. Enquanto os anos passavam, Adam mantinha-se focado nas coisas que lhe faziam bem. Continuava envolvido com a música e o teatro, enquanto ainda afugentava seu verdadeiro eu tentando de todas as formas ser um garoto “normal” de sua idade.

   No auge de seus 14 anos compreendeu sua orientação sexual, buscando entender ainda sozinho seus próprios sentimentos. Mais tarde, finalmente conseguiu se assumir gay para sua família, recebendo apoio contínuo de seus pais e irmão.

   Logo após terminar o colegial, Adam mais uma vez decidiu se desafiar mudando-se para Los Angeles. Não sabia ao certo o que queria, mas sabia que sua vida não se limitaria apenas a San Diego. Em busca de seu caminho, agora na cidade dos sonhos, Adam pôde libertar-se e ser o que sempre sonhou, mesmo que isso implicasse em desvendar também o obscuro mundo do preconceito. Entretanto, sua eterna busca por ser seu próprio artista não se limitou apenas ao teatro, e com isso ele foi atrás de seu grande sonho. Usar sua voz para algo grande, além de tudo que ele já havia tentado.

   Ele desafiou-se entrando na oitava temporada do American Idol em 2009. A cada semana, Adam demonstrava seu imenso talento em apresentações cada vez mais grandiosas, causando certa euforia e também curiosidade por parte do público. Ainda no meio da competição, fotos suas beijando um ex namorado vieram a tona, mas isso não foi capaz de abalá-lo durante seu caminho. Acabou em segundo lugar, mesmo sendo o grande favorito, onde protagonizou uma performance memorável com o Queen. Adam mal sabia que mais tarde estaria por palcos ao redor do mundo, compartilhando com milhares de fãs o legado de uma das maiores bandas de rock de todos os tempos.

   Ainda com o título de segundo colocado do reality, assinou contrato com a Sony Music, responsável por produzir e lançar seus dois primeiros álbuns “For Your Entertainment” & “Trespassing”. Indicação ao Grammy, aclamação da crítica e o primeiro homem assumidamente gay a estrear um álbum em primeiro lugar na maior parada de sucessos do Estados Unidos, a Billboard 200. Todavia, Adam Lambert teve que passar por cima da resistência e preconceito ao decorrer de seu caminho. Foi julgado em rede nacional por ter beijado um integrante de sua banda durante o American Music Awards de 2009, banido de alguns programas e alvo de protestos por sua orientação sexual.

   Sua quebra de contrato com sua até então gravadora, por divergências de criação, obrigou-o a buscar um novo caminho e se redescobrir como artista. Assinou com a Warner Music e se jogou inteiramente no processo de criação de seu novo som, explorado em seu último álbum lançado “The Original High”.

   Enquanto tudo isso acontecia, Adam estava vivendo seu sonho viajando o mundo ao lado de Brian May e Roger Taylor, a frente dos vocais do Queen. Vimos ele cantar na frente de 85 mil pessoas em um dos maiores festivais de música do mundo, o Rock In Rio, no nosso país. Ao mesmo tempo “Ghost Town” explodia ao redor do mundo, trazendo o nome de Adam Lambert de volta ao topo das paradas junto ao lançamento de seu novo álbum.

   Pôde voltar aos palcos com sua nova turnê, onde cantou em seu país após seis anos desde sua última turnê oficial. Lançou parcerias musicais, se desafiou em projetos cinematográficos, partilhou de seu conhecimento sendo jurado de um reality de música, entre muitos outros feitos.

   Enquanto crescia ao passar dos anos, Adam não deixou de usar sua voz para ajudar as pessoas ao seu redor. Sempre se manteve envolvido em questões filantrópicas e humanitárias, apoiou e vem apoiando causas importantes para a classe LGBTQ+, partilhando do seu orgulho de ser quem realmente é e inspirando milhares de pessoas com sua história de vida e luta por seus ideais.

   Nós como fãs, vimos seus altos e baixos, suas vitórias e derrotas, suas falhas e acertos. Vimos Adam conquistar o mundo aos poucos mesmo com seus erros, afinal ninguém é perfeito e está tudo bem. Vencer o preconceito e se redescobrir a cada era. Independente do quão difícil toda essa indústria musical seja, ele jamais desistiu de criar o que acredita, colocar sua alma e seu coração em suas músicas. Sua voz une as pessoas e mudam suas vidas.

   Independente de tempo, pudemos acompanhar e conhecer melhor sobre quem Adam Lambert é. Nosso simples amor de fã vai muito além de ter todos seus cds, posters ou centenas de seguidores. Nosso amor é principalmente pelo ser humano que jamais se esqueceu de onde veio, que é grato por tudo que conquistou e pelas pessoas que apoiam o seu trabalho. É por quem se importa genuinamente com as pessoas e busca fazê-las felizes através de sua voz.

   Neste novo ano de vida desejamos que Adam Lambert continue trilhando seu caminho da mesma forma que sempre fez, inspirando todas as pessoas ao seu redor a sempre acreditar em seus sonhos e ir em busca deles, a respeitar-se, ter orgulho de quem você é e procurar sempre a sua melhor versão.

   De todos nós do Glamily Brasil, em nome dos fiéis e dedicados fãs do nosso país, desejamos um feliz aniversário para Adam Lambert!

Texto: Raíssa Nogueira (Equipe Glamily Brasil)
Edição: Críssia Magalhães